PARTE DA HISTÓRIA DA LUTA PELA CULTURA EM ERMELINO MATARAZZO

Década 1980 – O único movimento de cultura existente no bairro, eram realizados na Igreja São Francisco de Assis, nos encontros de jovens, na gestão da Prefeita Luiza Erundina (1989 – 1993) houve um movimento em torno da implantação de Casas de cultura na Cidade de São Paulo. Neste mesmo período foi tombadas uma área com árvores nativas da Mata Atlântica, onde havia um casarão (antiga sede da chácara pertencente à Família Silva Jardim), atualmente Passeadouro Miguel Boupan.
O movimento de cultura propôs este local para abrigar a Casa de Cultura de Ermelino Matarazzo, a Secretaria de Cultura Municipal recebeu do Governo do Paraná uma instalação pré-montada, com módulos, Mas por discordância do DEPAVE, Departamento de Parques e Áreas Verdes, que era responsável pela área, não se chegou a um acordo.


Em 1993 assume como Prefeito Paulo Maluf, que encerra de vez o dialogo com os grupos culturais e em 1997 é eleito para prefeitura Celso Pitta que continua a política de Maluf.
Após a gestão de Celso Pitta é eleita Marta Suplicy, que inicia a instalações de CEUS (Centro Educacional Unificado) uma idéia nova e ousada que tem como objetivo não só a instalação da parte cultural, mas também o esporte e educação, o CEU supri a necessidades de diversas comunidades, mas a candidata não consegue a reeleição e o projeto de construção do CEU de Ermelino Matarazzo que já estava bem adiantado é cancelado pelo novo prefeito.
Surgem grupos como o NUJEM (Núcleo de Juventude de Ermelino Matarazzo) que discutem a ausência de equipamentos culturais e em determinado momento chegou-se a cogitar a possibilidade de construção de um Memorial da Zona Leste, que chamou atenção de diversos movimentos, mas, no entanto nem a Casa de Cultura e nem o Memorial.

Em 2005 P/2006 o Vereador Chico Macena aprova uma emenda de duzentos mil reais para a Casa de Cultura de Ermelino Matarazzzo, dinheiro que não foi aproveitado pelos órgãos responsáveis, em 2006 P/2007 mais uma Emenda no valor de duzentos mil reais foi aprovada com a disponibilidade do recurso foi feita a planta da construção, que teve um custo aproximado de duzentos e trinta mil reais, 2007 P/2008 foi aprovado mas a verba não foi liberada, 2008 P/2009 a verba foi liberada no mês de novembro, mas não havia tempo habil para que fosse feito o projeto executivo e por não ter a licitação da construção da Casa de Cultura não seria possivel utilizar esta verba, tentamos transferir para o Teatro Flávio Império ( que está fechado para reforma) mas tambem não havia licitação para a reforma O Subprefeito solicitou ao Vereador Chico Macena o remanejamento para outras prioridades, articuladores do movimento foram consultados, e decediram reverter para compra de equipamentos hospitalares para uma unidade de saúde de outra região que já dispunha de licitação.
No período de 2008 foi criado o grupo FINAL DE SEMANA CULTURAL que tinha como proposta organizar um grande encontro cultural, esses encontros chegaram a reunir mais de 130 artistas e ofereceu a comunidade mais de 40 opções de atividades em dois finais de semana reunindo diversas modalidades de cultura, nesse mesmo período foi agendado um encontro com grupos de Ermelino
onde foi convidado o Subprefeito para discutir o tema e traçar metas, mas o Subprefeito Eduardo Camargo Afonso não compareceu.
Em 2009 os resultados começam a aparecerem muitos outros grupos surgem e conseguem ter maior visibilidade no bairro, o grupo FINAL DE SEMANA CULTURAL continua a desenvolver o grande encontro e aumenta suas participações e em um dos seus eventos reúnem mais de 220 artistas e oferecem a comunidade mais de 50 atividades culturais, desde teatro, stand up, hip hop, oficinas, dança, artes visuais, cinema e outros.
Nesse momento é ampliada a discussão de se organizar para exigir do poder público a Casa de Cultura nos moldes que atendam a todos.
Ai surge o Projeto Cultura na Praça que é o encontro de diversos grupos culturais em um local público de Ermelino Matarazzo para realização de mostras culturais a comunidade, a fim de mostrar o potencial cultural principalmente da região e abrir espaço aos talentos adormecidos e/ou escondidos para que todos os interessados possam ser presenteados pelos belos, corajosos e audaciosos trabalhos dos artistas, e tambem reenvindicar do Poder Público uma Casa de Cultura, por isso realizamos nossos encontros em Praças Públicas (Mostrar as Autoridades que Ermelino Matarazzo tem Cultura, só nos falta espaço). O encontro é realizado sobre a organização dos coletivos que decidem como será esse encontro (dia, hora, local, formato e atividades), tem caráter público aberto a todos os grupos, desde que não tenham caráter religioso e político partidário.

O grupo Cultura na Praça também apresentou a situação atual no quadro que diz respeito à Casa de Cultura.

O grupo listou alguns fatores importantes como:

Projeto Executivo: Ainda falta o projeto executivo esse projeto é aquele que da o valor real da obra, o valor do metro quadrado é o momento que abre para licitação da construção.
-As antigas escolas de lata que fora desativadas, poderia ser montada em um terreno público existente na travessa da Av. Boturussu que tem um nivelamento adequado enquanto não obtemos a Casa de Cultura de Ermelino.

-Local e Projeto: O Projeto atual que seria executado no terreno anexo a Biblioteca de Ermelino que fica na Rua Sampei Sato travessa da Avenida Paranaguá, não cumpre com a porcentagem de área livre exigido pela Secretária do Verde e Meio Ambiente esse é um outro fator que cria um impasse na execução.

-Prédio desocupado: Existe a possibilidade da ocupação do prédio da Antiga Subprefeitura, que encontra se desocupado servindo apenas para depositar tranqueiras esse prédio fica na Avenida Paranaguá centro de Ermelino com ótima referência.

-Pasta de Cultura: Ermelino Matarazzo não tem uma pasta de Cultura por isso o investimento no Bairro não ultrapassa das atividades do calendário oficial, como a festa de 1° de Maio e a Festa das Nações.

O Grupo Final de Semana Cultural, tambem fez uma pesquisa sobre a história do bairro e uma data para comemorar o dia de Ermelino Matarazzo, (O dia de Ermelino, era comemorado junto com a festa 1°de Maio, mas a população não tinha este conhecimento}

Um novo dia para Ermelino Matarazzo
Marcela Fonseca
O dia em que o trem chegou a Ermelino Matarazzo, na Zona Leste, 7 de fevereiro de 1926, marcou para sempre a história da região. Em virtude disso, a data de hoje foi escolhida para celebrar oficialmente o ‘Dia de Ermelino Matarazzo’.
Desmembrado de São Miguel Paulista, em fevereiro de 1959, o aniversário de Ermelino Matarazzo era vinculado ao dia 1° de maio, data em que se comemora o ‘Dia do Trabalho’. Mas um projeto de lei de autoria do vereador Chico Macena (PT), aprovado na Câmara Municipal de São Paulo, no fim do ano passado, transferiu a comemoração.
LEI Nº 15.342 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010
(PROJETO DE LEI Nº 369/09)
(VEREADOR CHICO MACENA - PT)
Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de
2007, para fixar o dia 07 de fevereiro para
a comemoração anual do Dia de Ermelino
Matarazzo, e dá outras providências.
Antonio Carlos Rodrigues, Presidente da Câmara Municipal de
São Paulo, faz saber que a Câmara Municipal de São Paulo, de
acordo com o § 7º do artigo 42 da Lei Orgânica do Município
de São Paulo, promulga a seguinte lei:
Art. 1º Fica acrescido um inciso ao art. 7º da Lei nº 14.485, de
19 de julho de 2007, com a seguinte redação:
“7 de fevereiro: Dia de Ermelino Matarazzo.”
Art. 2º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas
as disposições em contrário, em especial a alínea “b” do
inciso LXXIX do art. 7º da Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007.
Câmara Municipal de São Paulo, 30 de novembro de 2010.
O Presidente, Antonio Carlos Rodrigues
Publicada na Secretaria Geral Parlamentar da Câmara Municipal
de São Paulo, em 30 de novembro de 2010.
O Secretário Geral Parlamentar, Breno Gandelman

“A chegada do trem fez com que a região de São Miguel Paulista crescesse demograficamente, dando forma a um distrito autônomo de Ermelino Matarazzo, e a data também homenageia um dos responsáveis pelo desenvolvimento do bairro, o comendador que leva o nome da estação”,
Na década de 1940, o bairro abrigou milhares de imigrantes que deixaram suas terras para trabalhar nas fábricas da Capital. “Ermelino Maratarazzo é rico historicamente e por isso merece reconhecimento na história da cidade”
De acordo com a Subprefeitura Ermelino Matarazzo, como a nova data foi definida pouco tempo atrás, não foi destinada nenhuma verba para comemorar os 85 anos de existência do bairro.
 
Bairro deverá ganhar uma Casa de Cultura
Mais de 50 entidades representantes da sociedade civil atuantes em Ermelino Matarazzo reivindicam a instalação de uma Casa de Cultura na região. A luta pela conquista do equipamento cultural já dura 20 anos.
A Secretaria Municipal de Cultura apoiará o projeto e disponibilizará o aluguel de um espaço para abrigar o equipamento de cultura. A Secretaria Estadual de Cultura também vai ser parceira. No entanto, ainda não estão definidos o espaço a ser usada, a data de sua inauguração, bem como os temas das oficinas que serão ministradas.
O Secretario de Cultura Municipal Carlos Augusto Calil, em dezembro de 2010 esteve reunido com grupos culturais da região para discutir a Casa de Cultura, no mês de janeiro de 2011 voltou, agora em visita em alguns imóveis para locar, (para criar a Casa de Cultura pela Secretaria, seria preciso que o Prefeito Gilberto Kassab assinasse um Decreto voltando as Casas de Cultura para a Secretaria de Cultura, hoje sobre responsabilidade das Subprefeituras).
Até o presente momento o Decreto não foi assinado, diante desse ocorrido, fomos conversar com o Subprefeito Coronel José Guerra recém nomeado, ele se prontificou a locar um espaço, mas diante o repasse de recursos da Secretaria, desde então estamos tentando marcar uma reunião com o Secretario Calil e o Subprefeito, também dispomos de uma emenda no valor de R$200.000,00 do Vereador Chico Macena…
O Projeto Cultura na Praça, também foi até a Secretaria de Cultura Estadual, através do CIEDS (Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável), Plataforma dos Centros Urbanos/UNICEF e G.A (Grupo Articulador) Ermelino/Keralux, iniciamos a conversa reenvidicando uma Fabrica de Cultura, mas fomos informados que estava em fase de inauguração 3 espaços, São Miguel, Itaim e Guaianases, diante a cobrança do Grupo, o Diretor do Museu da Língua Portuguesa e das Ocs (Oficinas Culturais do Estado de São Paulo) O Senhor Antonio Sartini, nos propôs a indicação de oficineiros da região para um projeto Piloto, (Nós ficamos responsável por arrumar locais para as oficinas) e contra partida a Ocs do Estado de SP contrataria os indicados, hoje temos 16 oficinas espalhadas pelo bairro, (artes visuais 4, áudio visual 2, teatro 4, literatura 2, musica 1, e oficinas diversas 3.